logo

PROJETO

Um banheiro, um celular, uma foto.

Um dia, no banheiro de um fim de festa, cansada e atrapalhada com o celular nas mãos, tirei uma foto. Uma foto de banheiro. E a partir daí, sem aviso ou motivo, dei início a um ritual: tirar ao menos uma foto em cada banheiro que eu fosse. Um ensaio quase secreto, sem pretensões, uma brincadeira.

As fotos, sempre tiradas com o celular, não tem preparação prévia nem preocupação com uma suposta perfeição técnica. São registros sem compromisso. Em seu lugar, o gosto pelo improviso e o prazer do acaso.

Os banheiros são os mais variados: limpos, sujos, públicos, particulares, monótonos, surpreendentes. Estão em clubes, restaurantes, cafés, boates, museus, consultórios, shoppings, supermercados, hotéis, casas de amigos, lugares por onde andei.

Após um tempo, percebi que banheiros são simplesmente banheiros sim, mas são também as pessoas que neles vivem e que por eles passam. Gente com suas diferenças e indiferenças, belezas e sutilezas, disfarces e detalhes. Gente visível e imprevisível. Gente que fica, gente que passa.

E segue em frente o Foto Privada, pois lugares e pessoas continuam a surgir, encantar e surpreender. E a cada banheiro, uma nova foto, alguns vestígios e um certo olhar.